Arte do Chefe

Gastronomia e Cultura

Sorvete na Cozinha da Roberta

No programa Brasil das Gerais, que abordava a substituição de alimentos industrializados, apresentei mais uma receita interessante e de sabor surpreendente: Sorvete de Coco, Tâmaras e Nozes!

Foi um sucesso!

Confira!

20150225_191841

Ingredientes para o sorvete

20150225_191902

Montei tudo bonitinho para começar o programa e fiz a foto…

Depois que o sorvete  ficou pronto esqueci de fazer outra foto… Pode? Opssss…

Sorvete de Coco, Tâmaras e Nozes

Por chef Julie Christy

Ingredientes:

1 e 1/2 xícaras de coco ralado
1/2 xícara de leite de coco
6 tâmaras sem caroço picadas
2 colheres (sopa) de sementes de linhaça
1/2 de xícara de água
1 colher (sopa) de óleo de palmiste
1/4 de xícara de nozes picadas

Modo de preparo:

Deixar as sementes de linhaça e as tâmaras picadas de molho na água por 30 minutos.

Bater no liquidificador a mistura de linhaça e tâmaras, o leite de coco , óleo de palmiste e somente 1 xícara de coco ralado.

Quanto obtiver um creme homogênio desligar o liquidificador e adicionar o restante do coco ralado e as nozes picadas, misturar com uma colher, verter em uma vasilha e levar para o freezer até endurecer.

Rendimento: 2  porções (300g)

Tempo de preparo: 5 minutos (descontados o tempo de molho e de freezer)

Características:

-sem glúten

-sem laticínios

-sem ovos

-sem açúcar refinado

Cozinha da Roberta – Brasil das Gerais

Agora é a vez do molho tipo catchup!

Esta receita também estava no programa Brasil das Gerais.

Montamos sanduíches deliciosos com o catchup, a mostarda e o molho cremoso.

Hummm ! Nenhum deles industrializados!

20150225_191759

Molho Tipo Catchup

Por chef Julie Christy

Ingredientes:

1/2 kg de tomate Débora ou Andreia
1 lata de tomate pelado (com o líquido)
1/2 talo de salsão
1 cebola pequena
1 dente de alho
1 colher (sopa) de azeite
1/2 colher (chá) de coentro em pó
1/2 colher (chá) de semente de erva-doce
1/2 colher (chá) de gengibre em pó
1 pitada de cravo-da-índia em pó
1 colher (chá) de sal
Pimenta-do-reino moída na hora (a gosto)
1/2 xícara (chá) de água (para o primeiro cozimento)

1/4 xícara (chá) de água (para o segundo cozimento)
1/4 xícara (chá) de vinagre de vinho branco
1/4 xícara (chá) de açúcar mascavo
Preparo

Retirar a pele e a semente dos tomates. Picar em cubinhos e reservar

Em uma panela colocar o azeite, refogar a cebola o alho e o salsão finamente picados. Adicionar o coentro em pó, a erva-doce, o gengibre em pó, o cravo-da-índia em pó e o sal. Juntar os tomates picados e todo o conteúdo da lata de tomate pelado, inclusive o líquido.

Depois que começar a ferver deixar cozinhar em fogo baixo até reduzir cerca de metade do conteúdo (demorará uns 20 a 25 minutos). Desligar o fogo. Bater esta mistura no liquidificador ainda quente.

Voltar com o conteúdo para a panela. Acrescentar a água, o vinagre, o açúcar mascavo e a pimenta do reino. Misturar bem. Levar a panela novamente para o fogão (fogo baixo) e por fim deixar cozinhar por uns 10 a 15 minutos, mexendo de vez em quando. Depois de frio fica mais espesso.

Rendimento: cerca de 600g

Tempo de preparo: 60 minutos

Validade: 3 semanas, conservado na geladeira

Características: sem glúten, sem laticínios, sem ovos, sem açúcar refinado

20150225_191749

Rede Minas – Programa Brasil das Gerais

Mais uma das receitas apresentadas na “Cozinha da Roberta”

Agora um molho tipo mostarda para substituir a mostarda industrializada.

Vale lembrar que este foi o enfoque do programa, substituir produtos industrializados por alternativas mais naturais.

Molho tipo Mostarda Djon

Por chef Julie Christy

Ingredientes:

½ xícara de mostrada em grãos
1 xícara de vinagre de vinho ou vinho branco seco

½ xícara de água
2 colheres (sopa) de azeite

½ colher (sopa) de mel ou de agave
1 pitada de açafrão da terra (cúrcuma)
sal a gosto

 

Preparo

Colocar os grãos de mostarda  de molho na mistura de água e vinagre por no mínimo 6 horas.

Bater no liquidificador os grãos com o líquido. Juntar o azeite, o mel e a pitada de açafrão de terra. Temperar com o sal.

Temperar com a páprica e o açafrão da terra.

Conservar na geladeira.

Tempo de preparo: 5 minutos (desconsiderando o tempo dos grãos de molho)

Características:

-sem glúten

-sem laticínios

-sem ovos

20150225_191806

Grao de mostarda

*grão de mostarda, foto da internet

Guia Alimentar – Ministério da Saúde

Algumas pessoas perguntaram sobre o tal “Guia do Ministério da Saúde”…

O documento chama GUIA ALIMENTAR PARA A POPULAÇÃO BRASILEIRA, ele contempla de maneira simples e prática uma orientação saudável para alimentação.

Vale a pena dar uma olhada! É só clicar no link em vermelho, o arquivo está em PDF

E como está na moda… #FICAADICA

Guia Alimentar Ministerio da Saude

guiaalimentar_fotocapa

alimentacao-saudavel

*fotos coletadas na internet

Brasil das Gerais

Fui convidada pela Roberta Zampetti para participar do quadro “Cozinha da Roberta”.

O desafio foi apresentar receitas práticas e saudáveis para substituir alguns produtos super industrializados. O programa teve como base o Guia Alimentar Para a População Brasileira editado pelo Ministério da Saúde.

Confira uma das receita que preparei para o programa.

As demais receitas coloco nas próximas publicações!

20150225_191909

Molho Cremoso (substituto da maionese)

Por chef Julie Christy

Ingredientes:

1 couve-flor pequena
1 dente de alho
2 colheres (sopa) de azeite
1 pitada de páprica picante
1 pitada de açafrão da terra (cúrcuma)
sal a gosto

 

Preparo:

Picar a couve-flor e o alho em pedaços pequenos.

Colocar em uma panela, cobrir com água, adicionar uma pitada de sal. Cozinhar até a couve-flor ficar bem macia.

Passar os legumes já cozidos em uma peneira ou um chinois. Reservar a água restante do cozimento.

Colocar no liquidificador os legumes e o azeite. Utilizar a função “pulsar” e aos poucos acrescentar a água do cozimento, apenas o suficiente para obter um creme.

Temperar com a páprica e o açafrão da terra.

Conservar na geladeira.

Utilizar na substituição da tradicional “maionese” no preparo de sanduíches e saladas.

Rendimento: 450g a 500g de molho

Tempo de preparo: 20 minutos

Características:

-sem glúten

-sem laticínios

-sem ovos

couve-flor-300x259

*foto da internet

Arte do chefe na Revista Minas Gourmet

Confira mais uma participação ARTE DO CHEFE na Revista Minas Gourmet

Reveja a receita de Bifum na edição digital da revista!

Ed_26(01)

 

http://www.minasgourmet.com.br

revistacapa

Culinária oriental, uma rica opção para celíacos!

Culinária oriental, uma rica opção para celíacos!

É sempre um prazer tirar uma folga do trabalho, ir passear com a família ou com os amigos e acabar nos deliciando em um restaurante. Infelizmente, os celíacos e os intolerantes à gluten não podem sair e comer em qualquer estabelecimento. É muito difícil para essas pessoas comerem fora de casa devido o risco de contaminação pelo glúten. Em busca de oportunidades para os celíacos  saírem e se divertirem a culinária oriental é um grande trunfo.

A grande variedade de sushis, niguiris, sashimis, makis entre outras preparações do menu oriental, garantem um variado e nutritivo cardápio sem glúten. Esses alimentos compostos principalmente de peixe cru e arroz, possuem baixas taxas de gordura, altas taxas de proteína, carboidratos, vitaminas, minerais e Omega-3.

Apesar de tudo é necessário muita atenção para não haver contaminação com as preparações que são empanadas e fritas, como por exemplo, os chamados Hot Philadelphia. Além disso, quando se trata da cozinha quente os tempuras são proibidos para os celíacos, pois levam farinha de trigo em seu preparo. Por sua vez, os pratos como frango xadrez, carne com legumes e brotos,  gyudon são espessados com amido, portanto são liberados para quem tem restrição ao glúten. Quando falamos de yakisobas e noodles,  as massas tradicionais de trigo podem ser substituídas por massas de arroz. Harumakis e guiozas podem ser substituídos por rolinhos e trouxinhas montadas em Rice Paper (folhas de arroz).

Muito frequentemente novas casas de comida oriental abrem as portas. Nossa capital está passando pelo “bum” da cozinha oriental porque os mineiros estão curtindo cada vez mais esta culinária de outros mares. Aproveitando esta nova onda vamos usá-la para atender bem e cativar um público especial e carente de opções alimentícias: os celíacos. O carinho com esse público pode ser traduzido através da correta higienização dos utensílios de cozinha (panelas, woks, placas, facas, pratos etc) no momento do preparo das refeições, para não haver contaminação.

Ed_26(08)

Bifum com filet e legumes

Sem glúten, sem lactose e sem ovos – Por Chef Julie Christy

Ingredientes:

200g de Bifum

100g de filet mignon, picado em cubinhos

30g de cenoura, raladas no mandolim

30g de ervilhas frescas

30g de vagem picada

30g de milho verde

1 dente de alho, espremido

Sal

1 fio de óleo de gergelim

Azeite

Preparo:

Ferva 2 litros de água, desligue o fogo e mergulhe o Bifum. Com o auxílio de um garfo mexa um pouco o Bifum na água para que ele solte um fio do outro. Aguarde uns 3 minutos para amolecer. Escorra e reserve.

Em uma frigideira aquecida refogue rapidamente o filet mignon com um fio de azeite e um fio de óleo de gergelim. Junte o alho e os legumes e misture. Tempere com sal. Abaixe o fogo e tampe a panela por uns 2 ou 3 minutos para que os legumes fiquem al dente.

Adicione o Bifum  reservado, caso necessário acrescente mais um fio de azeite e acerte o sal. Sirva com molho shoyu  a parte.

Dicas:

-substitua o filet mignon por filet de frango, salmão ou camarão.

-adicione brócolis, couve-flor e brotos.

Tempo de preparo: 15 minutos

Porção para 3 pessoas

Os números de 2014

Os duendes de estatísticas do WordPress.com prepararam um relatório para o ano de 2014 deste blog.

Aqui está um resumo:

A sala de concertos em Sydney, Opera House tem lugar para 2.700 pessoas. Este blog foi visto por cerca de 51.000 vezes em Se fosse um show na Opera House, levaria cerca de 19 shows lotados para que muitas pessoas pudessem vê-lo.

Clique aqui para ver o relatório completo

Farinha de Trigo Integral

Qual é a melhor farinha de trigo para uma alimentação saudável?

A integral ou a branca?

Escuto muito essa pergunta e sou da opinião de que o equilíbrio é o fator mais relevante.

Encontrei no site da Via Pax Bio, uma das primeiras empresas orgânicas brasileiras a receber certificação internacional, uma explicação sobre a diferença da farinha integral e da branca. Gostei muito do conteúdo por eles apresentado.

“As farinhas possuem valores calóricos e de carboidratos semelhantes, a diferença essencial são as famosas fibras.

Enquanto na farinha branca (também chamada refinada) os grãos de trigo são moídos para que fiquem bem fininhos, na farinha integral os grãos são parcialmente preservados, formando uma farinha um pouco mais grossa.  Quanto mais refinada a farinha de trigo, menos fibras ela tem e vice-versa.

As fibras fazem com que os alimentos à base de farinha integral fiquem mais consistentes, exigindo uma mastigação mais lenta e saciando a fome com doses menores de comida. Por este motivo, a farinha integral é a preferida dos consumidores que desejam perder peso, controlar o diabetes e a hipertensão, melhorar o trânsito intestinal – prevenindo o câncer – ou simplesmente, adotar novos hábitos alimentares.

As quantidades de fibras, cálcio, ferro, sódio, potássio, fósforo, tiamina e riboflavina são muito mais significativas na farinha integral do que na branca, porém, os grãos possuem um componente chamado fitato que, ao ser ingerido em doses excessivas, impede a absorção completa dos sais minerais presentes em outros alimentos.

Crianças, gestantes e mulheres na menopausa precisam de muito cálcio e a ausência do fitato acaba sendo uma vantagem da farinha branca. O baixo teor de fibras também torna a digestão dos alimentos com farinha branca mais rápida, fator muito útil para esportistas que precisam se alimentar antes dos exercícios ou de competições.

A escolha entre a farinha branca e a farinha integral na alimentação vai depender das condições físicas e da faixa etária da pessoa, mas deve sempre ser orientada por um profissional de saúde. O mais comum é que as dosagens exclusivas sejam moderadas para os dois tipos e há também quem prefira usar as farinhas ao mesmo tempo em suas receitas” – em http://www.viapaxbio.com.br

Gostaram também?

Dúvidas esclarecidas!

Quiche de farinha integral de espinafre e ricota

Quiche de farinha integral de espinafre e ricota

Esfiha com farinha integral

Esfiha com farinha integral

Bombom de Ricota e Damasco com Castanhas do Caju

Já sei! Você estava procurando uma entradinha fácil e gostosa para o final de semana.

Pois é, acabou de achar!

Receitinha especial para Sheila Salibi

Entradinhas Gourmet_Aula (11)

 

Bombom de Ricota e Damasco com Castanhas do Caju

por Chef Julie Christy

 

Ingredientes:

50 g de ricota

1 colher de sopa de requeijão

Damascos picados

Castanha de caju para empanar

Sal e pimenta

 

Preparo:

Amassar a ricota com o requeijão.

Acrescentar os damascos bem picadinhos, temperar e deixar gelar um pouco.

Bolear e empanar na castanha. Pode também usar pistache.

 

Bem simples!

Os bombons ficam mais gostosos com a ricota da Leiteria Nevada. É só ligar para a Sheila que ela entrega!

Sheila Salibi (31) 9109-2357

 

 

Post Navigation

Seguir

Get every new post delivered to your Inbox.

Junte-se a 416 outros seguidores